Translator

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

domingo, maio 17, 2015

InNATURA























-------------------------------------------------------------------------
Andava com saudades da Izabella, do Bruno e do Kiko do Natiruts? A boa nova é que eles estão aí de volta à cena, com o projeto InNatura.De Léo e Bia a Eduardo e Mônica, em Brasília o amor sempre terminou em música. Mas no caso de Bruno Dourado e Izabella Rocha, a música desabrochou no amor – e o amor se desdobrou em música novamente. O percussionista e a cantora se apaixonaram no Natiruts, onde atuaram por 11 anos, casaram-se, trouxeram ao mundo a primeira filha, Gabriela, em 2004, e em 2006 saíram da banda de reggae para montar a InNatura com o brother Kiko Peres, que havia deixado o Natiruts em 2002.  Mas para saber qual é a melhor nova, você terá que ver e ouvir esse DVD/CD de estréia do trio, Um Artista Brasileiro. Pois quem conhecia Bella e Bruno como vocalistas de apoio da banda brasiliense, um dos grandes nomes do reggae brasileiro, terá uma grande surpresa: eles foram à frente e enfim revelaram suas vozes, defendendo um repertório que engloba suas músicas no Natiruts, pérolas de novos compositores e algumas inéditas da própria lavra. Em formato acústico – basicamente violões e vozes –, as canções revelam novos caminhos para esses artistas brasileiros: o reggae continua a ser uma referência, mas agora sua música tem também fortes o folk, o soul, o samba-rock e até o jazz – sempre de forma natural, que é como as coisas acontecem para esse pessoal.  Foram 11 anos de Natiruts até que Izabella Rocha e Bruno Dourado resolvessem dar um tempo. Eles se tornaram pais da pequena Gabriela e, em 2006, chegaram à conclusão que era melhor deixar a estrada de lado e cuidar da vida. No sossego da família, novas musicalidades afloraram. De repente, não mais que de repente, lá estavam eles ensaiando músicas com Kiko Peres, mestre da guitarra que deixara o Natiruts em 2002 para se dedicar a uma carreira solo e a projetos de produção fonográfica.  Em ensaios descompromissados, nas tardes de sábado, foi sendo delineado, ao longo de seis meses, o repertório e os arranjos de Um Artista Brasileiro – aliás, esse era o nome de um show intimista em que Izabella cantava músicas de alguns dos novos compositores que conhecera ao longo das turnês com o Natiruts. O primeiro show do InNatura acabou sendo justamente o da gravação do DVD – em junho de 2007, na sala Martins Pena do Teatro Nacional de Brasília, com direção de José Eduardo Belmonte. Sem pressões, totalmente independentes, Bella, Bruno e Kiko mostraram então a que vieram. Não poderia haver melhor cartão de visitas que a faixa “Beleza Divina”, uma das inéditas do DVD, que Izabella e Kiko compuseram para a trilha do curta-metragem Uma Questão de Tempo, de Catarina Acioly. Nela dá para perceber que Bella tinha toda uma voz escondida, agora reluzindo num pop violeiro de muitas delicadezas e alto astral – “seu corpo balança, anuncia a primavera”, canta ela. A festa segue, com o trio mais banda de apoio (Jair Santiago no violão, Hamilton Pinheiro no baixo, Txotxa na bateria, Fernando Palau no piano e teclados, Edinho na percussão) em “Sorriso de Flor”, composição de Rafael Pondé, ex-integrante banda baiana de reggae Diamba. “Agora tenho que plantar / na roça pra vender na feira”, cantam Bella e Bruno, reforçando o clima interiorano, de tranqüilidade em meio às belezas naturais, em mais este pop violeiro que traz a marca do InNatura.  Aos poucos, o grupo vai mostrando as suas boas companhias em Um Artista Brasileiro. “Carcaça”, obra do ex-Dread Lion Luís Carlinhos com Baia e Fusuê, injeta melodia e otimismo no disco: “eu sigo com a minha esperança / de que tudo vai clarear”. É também o número do DVD em que Bella aproveita para apresentar os bailairinos Selma Trindade e Teresa de Castro em meio a uma deliciosa atmosfera teatral. Outra de Luís Carlinhos é “Já Valeu”, bela balada em que a voz de Bella deita e rola e ainda conta com a participação de Carlos Ataualpha no trapézio. Mais um dos destaques do disco é “Eus”, de Baia e Gabriel Moura, líder do Farofa Carioca – uma soul music existencialista, de versos fortes como “não sou Deus, mas sou eus / eu também sou milhões de eus”. Já Tonho Gebara, infelizmente falecido guitarrista do Natiruts, tem sua memória celebrada pelo InNatura com nada menos que três músicas: o folk meio Dylan, meio Raul Seixas “Lado Oposto”, o jazzy-baião- reggae “Tambor” (parceria com Luís Carlinhos e Rogê) e “Pode o Céu Cair” (com Shilon), um aceno ao samba-rock (“achei um Lp de quando Jorge era Ben”), com citação de Kiko ao solo de guitarra de Jimmy Page em “Stairway to Heaven”. Rafael Pondé, por sua vez, dá as caras novamente no repertório do DVD com o samba-soul “Morena do Mar” e os reggaes “In Flow e Foi” e “Princesa do Cerrado” – este que, por sinal, contou na gravação com o bandolim de sabor ibérico de Dudu Maia.  Um Artista Brasileiro foi também uma boa oportunidade para que Bella, Bruno e Kiko resgatassem suas favoritas dos tempos de Natiruts. Estão lá, com novas roupagens, as músicas “Discípulo de Mestre Bimba” (com os vocais e o berimbau de Bruno, mais a participação de um grupo de capoeiristas), a desencanada “Andar pela Ilha” e o reggae jazzístico “Misteriosa Atração” – ótimos exemplos daquilo tudo que eles tinham de novo a apresentar como InNatura. E, para quem ainda tinha alguma dúvida sobre o valor da rapaziada, o DVD ainda tem mais uma música inédita: “Clareou”, composição de Izabella em que ela esbanja melodias e domínio da língua inglesa – boa para abrir os caminhos no exterior.  E aí está, bem do jeito que eles queriam, o primeiro trabalho do InNatura. “Fizemos nosso DVD sem medalhões, não queríamos nada glamuroso”, conta Bruno. Era assim mesmo que tinha que ser. Perfeito retrato do dia-a-dia e da filosofia desses amantes da natureza e da música, Um Artista Brasileiro dá a partida para a segunda fase da trajetória de Bella, Bruno e Kiko. Naturalmente musical. Ou musicalmente natural – quem ouvir, que tire as suas conclusões. E depois viaje com eles no som.
Os componentes que regem a arte musical da In Natura estão mais uma vez em evidência: os instintos humanos, a preservação do ambiente, a beleza em seu estado natural, a contemplação da vida e o amor. São estes os elementos que formatam a mensagem sonora da banda em seu terceiro álbum recém lançado pela brasiliense GRV Discos.  As 13 faixas inéditas espanam versatilidade musical no In Natura 3 ao aliar o que há de melhor nas raízes do som genuinamente brasileiro às tendências internacionais. São levadas do Reggae e do Ragga originais da África e do Caribe, com esbarrões acústicos em ritmos negros tradicionais do Brasil - da capoeira à cantiga de roda.  A banda abusa dos ingredientes nacionais para refletir seu espírito tropical e praiano. Tudo com muito groove e toques eletrônicos, incorporando também os sons de metais, cordas e percussão à altura do profissionalismo que rege as composições da banda.  Essa abordagem “beira mar”, no entanto, não deixa esquecer o ponto de partida do trabalho da In Natura. É de seu bioma natural, o cerrado, que Izabella Rocha e Bruno Dourado (Vocais e Letras) convocaram outras “feras” de projeção da cena musical brasiliense – Kiko Peres (Guitarra), Marcelo Pahl (Bateria) e Bruno Xavier (Baixo), tendo ainda Leander Mota (Percussão) dividindo as funções nos timbales e atabaques com o polivalente Bruno – para assim formar o “back bone” instrumental do trabalho. As digitais sonoras destes artistas de renome estão em toda a obra, que conta também com a participação de outras personalidades convidadas.  O quinteto principal da In Natura desfruta da intimidade e talento necessários para traduzir ao imaginário dos ouvintes os cenários das paisagens e dos sentimentos humanos em suas cantatas. A sinestesia entre a imagem e o som converge nas vozes da dupla de lead singers. O casal Bruno e Izabella se alterna no microfone principal, conforme o torque melódico e a variação dos estilos musicais das faixas do CD que mais lhe caem bem.  Na trilha Cidade a Flutuar que abre os trabalhos, a banda mistura timbres modernos das cordas da guitarra, melodias de violino e programações futuristas de teclado. O resultado é um reggae-rap, acentuado pela voz do rapper MV Bill, que firma sua participação com trocadilhos ritmados em cima das palavras proferidas por Izabella Rocha.  Do outro lado do Atlântico - da Mãe África- vem o aporte talentoso do músico gabonês PacôMelézoTrês que versifica em francês trechos da Ragga Dance, introduzindo a tônica social e a estética urbana que conduz o olhar estrangeiro sobre o nosso Brasil continental.  Em Um que fazer, um reggae- pop e forte candidato a novo hit da banda, Bruno Dourado canta a mensagem de amor e de busca por sua amada, contextualizada no ócio contemplativo da natureza e da “saudade imensa” que a ausência dela instiga. A letra e música são de Fábio Allman (Monobloco), Fernando Velozzo e Carlos Pontual. Nesta faixa, o instrumental do In Natura 3 recebeu adições: nos teclados de Pedro Augusto, e no talento clássico dos irmãos Luis Paulo, André e João Pedro Dourado (violino , violoncelo e violão, respectivamente).  Em outros momentos do CD, o genoma musical da In Natura é revisitado e nos aproxima dos de suas origens - a já consagrada Natiruts. A trilha Passageira, gravada em 2002, recebe uma releitura e traz a participação da guitarrista Mônica Agena (Natiruts).  A ótima Jacarandá do Cerrado homenageia a flora e fauna do Brasil, tendo o cerrado em seu foco sonoro, e reclama a preservação da matéria prima do instrumento berimbau, fonte de arte e criatividade do vocalista já nos idos 1990.  São os ventos de um passado que levantam a trilha Velejo em Cumbuco, exalando o ritmo tranqüilo e maneiro das experiências vividas entre os amigos Rodrigo Amaral e Sérgio Maione, em composição coletiva da letra, ao lado de Bruno, neste paraíso do kite surf do Ceará. O toque especial vem do sopro pulmonar, denso e melódico do especialista Guigui Trotta (Gaita) brasiliense radicado no Rio de Janeiro e que deixa aí a sua marca.  A mutualidade do amor pleno, completo e recíproco, que emana do coração do álbum In Natura 3 vem reforçada de onde mesmo mais se espera: é a voz de Izabella Rocha que encadeia a mensagem e sonoridade do trabalho da banda.  Ao longo de várias faixas do novo álbum, a intimidade com que projeta sua voz de veludo é assimilada facilmente pelos colegas, fazendo flutuar os arranjos musicais de seus velhos e novos companheiros da vida, da arte e do palco.  Em Quero te encantar, a letra de Dora Vergueiro é embalada na melodia vocal de Izabella em performance instrumental, com breves acelerações ritmadas e minimalistas. Alheia a terminações silábicas repetitivas, a vocalista acentua a quebra dos versos e dita o torque das palavras, pontuando os sentimentos na levada desta música eivada de brasilidade.  Mas encanta ainda mais quando entoa a beleza da mulher brasileira, a senhora do carnaval da vida cotidiana; cosmopolita, letrada em idiomas e sublime como as sereias do mar é melodicamente enaltecida em estilo cantiga de roda na faixa Rainha Dourada.  A trilha A pé traz uma balada leve que mistura o Reggae e o ritmo da Salsa caribenha e aborda as contradições da vida e do amor.  E quando os vocais da alma silenciam, é a vez da poderosa instrumental Wacatoco. A música composta por Bruno Dourado é executada com a parceria de metais brasilienses dos Móveis Coloniais de Acajú – Xande (trombone) Esdras (sax barítono) e Paulo (sax Tenor). Este ska sonoro psicodélico é um chamamento e teste aos instintos primitivos do ouvinte. Um pulso certeiro instigando as energias do movimento corporal e da libertação que só a música pode oferecer.  Destaque também para a participação do virtuoso trompetista Moisés Paraíba que enobrece além de Wacatoco, outra faixa do álbum. Em Brilho da Cidade, dá o seu retoque °metal° em um solo desta composição de reggae chill-out de excelente qualidade.  A pequena Gabriela Rocha, filha do casal de apenas 8 anos, faz seu debut artístico na gravação de Respeitar o mundo, composta por seus pais ainda em 2001 quando integravam o Natiruts. O trio canta em uníssono o poder da intuição como chave ao sentido maior da vida: a evolução do ser e o respeito ao mundo no caminho da paz. Guitarras havaianas arrematam a obra.  Para concluir, o In Natura 3 é o som de Bruno , “Bella” e cia em seu estado natural de simbiose e evolução. A música que nasce da parceria madura do casal de músicos é a mesma que os projeta para a vida, no terreno artístico e social, e retro-alimenta a sua obra...
------------------
 http://www.innaturabrasil.com/
  • Membros da banda
    Bruno Dourado
    Izabella Rocha
    Kiko Peres
    -------------------------
    DISCOGRAFIA
     Innatura3 (2013)
     Bossa Ragga (2010)
     CD e DVD - Um Artista Brasileiro (2007)

Nenhum comentário: